Este site utiliza cookies

Salvamos dados da sua visita para melhorar nossos serviços e personalizar sua experiência. Ao continuar, você concorda com nossa Política de Privacidade, incluindo a política de cookie.

Coronavírus: o que é e qual a gravidade do novo vírus
04
fev-20

Coronavírus: o que é e qual a gravidade do novo vírus

 

O Ministério da Saúde está investigando 14 casos suspeitos de brasileiros contaminados pelo coronavírus. Eles foram notificados nos estados do Rio de Janeiro (1), São Paulo (7), Rio Grande do Sul (4) e Santa Catarina (2).

Os pacientes se enquadraram na atual definição de caso suspeito para nCoV-2019 (o novo coronavírus), estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Eles apresentaram febre e, pelo menos um sinal ou sintoma respiratório, e viajaram para área de transmissão local nos últimos 14 dias. A OMS aumentou o nível de alerta para alto em relação ao risco global do novo coronavírus. Mas, afinal, que tipo de vírus é esse que causa tanta preocupação? Seria ele letal?

Segundo o infectologista do Hospital Nossa Senhora da Conceição, Adriano Marchi, coronavírus é um grupo que reúne agentes infecciosos que podem provocar desde sintomas de resfriados brandos até manifestações mais graves, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave. Diferentes vírus desse grupo podem sofrer mutações e se recombinar, dando origem a agentes inéditos.

Acredita-se, inclusive, que o novo coronavírus, que começou na China, tenha sido originalmente transmitido para o ser humano de um animal. “O morcego é o hospedeiro original desses vírus. Por um agente intermediário ele acaba infectando o ser humano. Então, por exemplo, a SARS em 2022, parece que o hospedeiro intermediário foi um gato e em 2012, um dromedário, que é um parente próximo do camelo. Dessa vez ainda não se sabe qual é o vetor que levou do morcego para o homem essa doença.”, informou Adriano Marchi.

 

Sintomas

Como se trata de um vírus novo, ainda há muitos estudos sobre os sinais clínicos da doença. Os principais sintomas apresentados pelos pacientes são febre, tosse e dificuldade para respirar, além de dores no estômago. “Os sintomas desse novo coronavírus 2019 eles são muito similares ao da influenza (gripe). Na verdade não é uma nova gripe. A gripe é causada por um vírus específico, vírus da influenza. Os sintomas são parecidos realmente, é o que a gente chama de quadro gripal. A pessoa vai ter tosse, dor de garganta, febre, pode ter nariz entupido ou coriza, dores musculares, dores de cabeça, parece bastante com a gripe.”, explicou o infectologista do HNSC.  

A letalidade, no entanto, aparenta ser menor que a associada a Síndrome Respiratória Aguda Grave.

 

Transmissão

Todos os coronavírus são transmitidos de pessoa a pessoa. De uma forma geral, a principal forma de transmissão se dá por contato próximo com o paciente infectado. “Ele é um vírus que transmite de forma muito parecida ao da gripe também. Ele (coronavírus) transmite por mão contaminada por secreção e gotícula, ou seja, aquela pessoa quando espirra ou tosse, as pequenas gotículas atingem respiração da outra pessoa, ela pega doença.”, disse Marchi.

 

Prevenção

A área de maior incidência de casos é a China, onde o novo vírus começou a circular. No Brasil, os casos ainda são tratados como suspeitos pelo Ministério da Saúde.

A primeira medida de prevenção é evitar viajar a Wuhan e região (China), bem como a cidades que possam vir a alojar surtos. Outras medidas básicas de proteção, que inclusive se aplicam a outros agentes infecciosos transmitidos pelo ar e por gotículas de saliva, são evitar aglomerações e contato próximo com outras pessoas; cobrir nariz e a boca com lenço descartável ao tossir ou espirrar (e descarte o material em local adequado); lavar as mãos a cada duas horas e principalmente após passar por estabelecimentos ou transportes públicos; não compartilhar copos, toalhas e objetos de uso pessoal.

 

Adriano Marchi, infectologista do HNSC

  • Compartilhar:

Comentários()

Receba nossa newslleter

E fique por dentro das notícias e novidades sobre o Hospital.